COMO FUNCIONA O CONTRATO DE EXPERIÊNCIA DE TRABALHO?

O momento de contratar um novo funcionário gera expectativas tanto para a empresa quanto para o empregado. Pode ser que, na empresa nova, o funcionário trilhe um caminho de sucesso. Mas também pode ser que infelizmente esse empregado não atenda às expectativas da organização, ou simplesmente não se identifique ou se adapte à sua função. É por isso que existe o contrato de experiência, uma modalidade que permite o arrependimento e a rescisão do vínculo gerado, sem grandes prejuízos.

É fato que na hora de formalizar o contrato de trabalho, o empregado e o empregador selam um compromisso com o objetivo de estendê-lo por um longo período: o primeiro desenvolve seu trabalho para que o segundo o remunere por isso.

Acontece que infelizmente só dá para avaliar o novo funcionário quando este estiver executando a função para qual foi contratado. E nem sempre a resposta é positiva.

Hoje, falaremos sobre a importância do contrato de experiência. Ao longo do texto, você vai entender como se elabora um, quais são as informações que devem constar nesse documento e, sobretudo, explicaremos o porquê de todo empregador precisar ter cuidado na hora de contratar um novo funcionário.

Acompanhe até o final e veja nossas dicas para um bom desempenho em sua empresa.

Na hora de formalizar um contrato de experiência de trabalho, o empregador precisa se ater a alguns detalhes importantes para não cometer equívocos.

1) O QUE É O CONTRATO DE EXPERIÊNCIA?

Como o próprio nome diz, o contrato de experiência é uma modalidade de contrato prevista pela Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT).

Esse tipo de contrato é caracterizado por ter prazo determinado e servir não só para avaliar se o funcionário tem capacidade para exercer a função para qual foi contratado, mas também para o funcionário conhecer as condições de trabalho, se adaptar à função e decidir se quer ou não continuar na empresa.

Tanto a empresa quanto o profissional podem desistir do vínculo após o período de teste. Ambas as partes não saem tão prejudicadas da experiência.

Vamos entender melhor a partir de agora.

2) COMO FUNCIONA O CONTRATO DE EXPERIÊNCIA?

Conforme o artigo 445, da CLT, o contrato de experiência pode ter duração de até 90 dias corridos. Contudo, há possibilidade desse período ser menor.

Não há prazo mínimo de experiência. Geralmente as empresas gostam de facilitar e optam por formalizar um contrato de 45 dias que podem ser renovados por mais 45, somando 90 dias. A lei permite. No entanto, isso não é uma obrigação.

A empresa pode, por exemplo, fazer um contrato de 30 dias e renová-lo por mais 60, ou de 60 dias e renová-lo por mais 30.

O importante é que o contrato de experiência não ultrapasse os 90 dias.

Cabe ressaltar, inclusive, que o empregador precisa se atentar aos 90 dias, pois eles são corridos. Ou seja, se o 45º dia cair em um domingo, por exemplo, logo o empregador precisa se decidir antes sobre a prorrogação ou não do contrato de experiência.

Nesse caso, se passar do 45º dia, automaticamente o contrato é prorrogado. Do mesmo modo, se o 90º cair em um domingo, o empregador precisa decidir antes se vai ou não efetivar o funcionário. Se passar para o 91º dia, o contrato já se torna indeterminado.

Se ao final dos 90 dias ambas as partes demonstrarem interesse em continuar mantendo o vínculo, então o contrato deixa de ser de experiência e passa a ser indeterminado.

Mas atenção! Só se pode prorrogar o contrato de experiência apenas uma única vez. Ou seja, a empresa não pode dividir o contrato em três parcelas, como, por exemplo, 30 + 30 + 30.

Se a empresa fizer o contrato por 30 dias e prorrogá-lo por mais 30, então a partir do 61º dia, o contrato com o funcionário passa a ser indeterminado, mesmo que esse empregado ainda não tenha completado 90 dias de trabalho.

3) O QUE DEVE CONSTAR NUM CONTRATO DE EXPERIÊNCIA?

As informações que devem constar em um contrato de experiência são:

  • Qualificação do profissional;
  • Descrição do serviço que o empregado irá executar;
  • Detalhamento do período de vigência do contrato (data de início e do término);
  • Valor de remuneração;
  • Direitos e deveres do empregado e do empregador.

Além das informações acima, serão necessários alguns documentos para inclusão no contrato. A saber:

  • Carteira de Trabalho e Previdência Social (CTPS);
  • Certidão de nascimento ou de casamento;
  • RG;
  • CPF;
  • Título de eleitor;
  • Comprovante de residência atualizado;
  • Documento dos dependentes legais.

4) MULTA POR RESCISÃO DE CONTRATO ANTES DO TÉRMINO DO PERÍODO DE EXPERIÊNCIA

Outro ponto importante: o contrato de experiência segue as mesmas regras de rescisão de um contrato por tempo indeterminado.

Se um empregador decidir encerrar o contrato de experiência antes que ele termine, sem justa causa para o empregado, deverá pagar uma indenização prevista em lei.

Portanto, além das verbas rescisórias, o empregador deverá pagar metade de todo salário que o empregado deveria receber até o fim do contrato de experiência.

A regra, porém, vale também para o empregado. Se acaso este decida rescindir o contrato antes do final da experiência, deverá indenizar os prejuízos que seu empregador teve por sua contratação. Sendo assim, deverá pagar também metade de todo salário que receberia até o término do contrato.

5) QUAIS SÃO OS DIREITOS DO EMPREGADO?

Durante o período de contrato de experiência, o empregado terá os mesmos direitos que qualquer outro trabalhador que esteja na empresa por um contrato indeterminado.

O empregador precisa ter atenção a esses direitos porque, caso eles não sejam respeitados, a empresa corre o risco de sofrer ações trabalhistas na Justiça.

Um empregado em contrato de experiência tem por direito receber:

  • Salário;
  • Salário-família (se houver);
  • Horas extras;
  • Adicional noturno;
  • Comissões e gratificações;
  • Vale-transporte;
  • Recolhimento de INSS e FGTS;
  • Adicional de insalubridade ou periculosidade (se houver).

6) QUAIS SÃO OS DIREITOS DO TRABALHADOR CASO NÃO HAJA EFETIVAÇÃO?

Não havendo efetivação, os direitos do trabalhador serão definidos de acordo com o modo em que se deu o término do contrato de experiência. Vejamos:

Se a empresa dispensar o empregado no 45º dia, ou até mesmo no término do contrato de experiência, sua única obrigação é pagar seu salário equivalente aos dias trabalhados, férias proporcionais com acréscimo de um terço, 13º salário proporcional ao tempo em que esteve na empresa e o FGTS.

A empresa não precisa pagar a multa e nem o aviso prévio, mas precisa informar ao empregado que não tem interesse em contratá-lo de forma definitiva, ou seja, por período indeterminado. Assim, deve-se dar baixa na carteira de trabalho do profissional.

Mas se a dispensa sem justa causa do funcionário se der antes do término do contrato de experiência, o empregador terá que pagar ao empregado, além dos direitos citados anteriormente, aviso prévio, metade de todo salário que o empregado deveria receber até o fim do contrato de experiência e multa de 40% sobre o FGTS.

Agora, se a demissão do empregado for por justa causa, então os direitos do trabalhador serão apenas o salário proporcional aos dias trabalhados e o recolhimento do FGTS, mas sem direito ao saque.

Do mesmo modo, o empregado também pode decidir se quer ou não permanecer na empresa. Se ele optar pela dispensa antes do término do período de experiência, terá que arcar com o desconto indenizatório referente a metade da remuneração que receberia nos dias restantes. O profissional receberá saldo de salário, 13º salário e férias proporcionais acrescidas de um terço. Nesse caso, o empregado não poderá sacar no FGTS.

7) QUANDO A EMPRESA NÃO PODE DEMITIR UM FUNCIONÁRIO DURANTE O CONTRATO DE EXPERIÊNCIA?

Um dos equívocos mais cometidos por empregadores em relação ao contrato de experiência é demitir funcionários sem conferir todas as condições. Esse tipo de atitude pode gerar prejuízos à empresa por conta de ações trabalhistas.

Conforme a Lei 8.213/91, em seu artigo 118, fica expressamente proibida a demissão de funcionário que tenha sofrido alguma espécie de acidente de trabalho.

Do mesmo modo, de acordo com a súmula 244, Inciso III, do Tribunal Superior do Trabalho (TST), o empregador não pode demitir mulheres grávidas.

8) QUAIS SÃO OS CUIDADOS QUE A EMPRESA PRECISA TER COM O CONTRATO DE EXPERIÊNCIA?

Ao contratar um novo funcionário, o empregador precisa se certificar de que todas as regras são obedecidas. Para isso, ele precisa tomar algumas medidas de prevenção para evitar problemas futuros e passar a responsabilidade de fiscalização para o setor de RH.

Recomenda-se sempre que toda empresa tenha uma assessoria jurídica que a oriente sobre como agir com os colaboradores.

O melhor caminho para evitar problemas é o diálogo, que deve começar durante o processo de contratação do funcionário.

Nessa conversa entre o setor de RH e o empregado, é importante que o novo membro da empresa tenha conhecimento de todas as regras do contrato. Assim, evita-se problemas futuros. Afinal, já dizia o ditado: o combinado não sai caro.

O profissional precisa se sentir à vontade e tranquilo para desenvolver seu trabalho.

A empresa, por sua vez, deve sempre atualizá-lo sobre seu desempenho. Quando isso é feito durante o período de experiência, as chances do funcionário se sair bem são grandes, pois ele aprende com os erros e ganha mais confiança.

Acima de tudo, o recomendado é respeitar o prazo de validade do contrato, ainda que o funcionário não seja o ideal para a empresa. A quebra desse vínculo antes do tempo só deve acontecer em casos extremos.

Aliás, vale lembrar que dispensar um funcionário antes do fim da experiência pode acarretar gastos desnecessários. E não é isso que a empresa precisa.

O que achou desse conteúdo?

Deixe seu comentário.

Até mais.

contrato de experiência

>>Página Inicial.

SALARI ADVOGADOS

Telefones para contato:

(21) 3594-4000 (Fixo)
(21) 96577-4000 (WhatsApp)

E-mail: [email protected]

Facebook Instagram | YouTube

Endereço:

Rua da Quitanda, nº 19, sala 414 – Centro do Rio de Janeiro (esquina com a Rua da Assembleia, próximo à estação de metrô da Carioca).

Tem alguma dúvida a respeito?

Uma assessoria jurídica de qualidade traz mais segurança jurídica a todas as questões burocráticas da empresa, como, por exemplo, requerimentos, notificações, elaboração de contratos, documentos em geral.

quem somos

O escritório SALARI ADVOGADOS atua no estado do Rio de Janeiro, e conta com uma equipe de advogados especializados no Direito Empresarial.

Estamos sempre dispostos a esclarecer dúvidas e nosso cliente sabe sempre a quem recorrer em todas as situações, tendo um advogado voltado exclusivamente para avaliar minuciosamente o seu problema e obter a melhor solução jurídica.

O QUE DIZEM NOSSOS CLIENTES

"Procurei os serviços em busca somente para orientação devido a acessibilidade, já sem esperança de resolver meu problema. Fui esclarecido, ajudado e graças a uma equipe capacitada fui devidamente orientado."
Carlos Magno
Super indico! Muito profissional e atencioso! Tanto pessoa física quanto jurídica pode contratar!
Lucinda Alves
"Agradeço muito à equipe da Salari por me ajudarem a resolver um problemão na minha empresa. Foi rápido na medida do possível. Deus os abençoe!"
Rodolfo Silveira
Advogados excelentes, confiáveis e que trabalham com seriedade e responsabilidade! Continue ASSIM doutor!
Gabrielle Silva
"Agradecerei eternamente aos doutores da Salari Advogados por terem me ajudado de maneira tão rápida e profissional. Me senti acolhida do início ao fim do processo, realmente só tenho coisas boas a falar desse escritório. Deixo aqui meu muito obrigada!"
Maria Helena
Liguei a primeira vez para uma consulta e responderam todas as minhas perguntas. Quando tive um problema, não pensei duas vezes, liguei para lá. Sou grato por tudo o que fazem por mim. Recomendo.
José Vitor