AUXÍLIO-DOENÇA [2022]: O QUE É E COMO FUNCIONA?

Tudo na vida é imprevisível. Um pouco clichê pensar assim, mas é exatamente dessa forma que somos pegos com as mais diversas surpresas na vida. Afinal, a gente tem o costume de achar que os problemas só vão acontecer com vizinho, mas nunca conosco, não é verdade? O problema é que às vezes a realidade é bem diferente. Por essas e outras é que existe o auxílio-doença, um benefício pago pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) a quem fica incapacitado para o trabalho ou atividade habitual, por exemplo, por mais de 15 dias consecutivos. Partindo dessa ideia, quem tem direito e como funciona? O que mudou com a reforma da Previdência de 2019? Confira agora mesmo nosso artigo especial.

auxílio-doença
A orientação de um advogado previdenciário na maioria das vezes é a peça-chave para se conseguir o benefício sem dor de cabeça.

1) O QUE É O AUXÍLIO-DOENÇA?

De acordo com o art. 59, da Lei 8.213/1991, auxílio-doença é um benefício previdenciário devido ao segurado que estiver total e/ou temporariamente incapaz para exercer suas atividades habituais por mais de 15 dias consecutivos. Ou seja, quando o trabalhador fica incapaz de trabalhar. Para tanto, é necessária a comprovação por meio de perícia médica.

O benefício previdenciário pode ser concedido ao segurado do INSS como auxílio-doença acidentário ou previdenciário. No primeiro caso, acontece quando o trabalhador sofre algum acidente de trabalho ou contrai doença ocupacional por um período de tempo. Já no segundo caso acontece nos demais casos.

Nesse sentido, o auxílio-doença acidentário não deve ser confundido com o auxílio-acidente, que é o benefício pago de forma indenizatória ao segurado parcial ou permanentemente incapaz de exercer suas funções.

Além disso, o auxílio-doença é pago a quem tem incapacidade TEMPORÁRIA, haja vista que a incapacidade permanente trata-se da aposentadoria por incapacidade permanente.

2) QUEM TEM DIREITO AO AUXÍLIO-DOENÇA?

A princípio, a lei não diz que há uma lista de doenças que dão direito ao benefício. Contudo, o perito do INSS vai analisar se a doença leva à incapacidade para o trabalho.

Um exemplo é o caso do trabalhador que sofreu um acidente em casa e quebrou a perna. Neste caso, o trabalhador ficará temporariamente sem condições de trabalhar. Então, ficará afastado e poderá receber o auxílio-doença.

No caso do contribuinte empregado, a empresa deve pagar os 15 primeiros dias de afastamento do trabalhador. A partir do 16º dia, o INSS fica responsável pelo pagamento do segurado.

3) QUAIS SÃO OS REQUISITOS PARA RECEBER O AUXÍLIO?

Para se adequar ao perfil de beneficente do auxílio-doença é preciso, a saber:

  • Cumprir carência de 12 contribuições mensais (exceto nos casos de auxílio-doença acidentário ou acidente de qualquer natureza ou causa, bem como nos casos de segurado que, após filiar-se ao RGPS, for acometido de algumas doenças e afecções especificadas em lista elaborada pelo Ministério da Saúde, do Trabalho e da Previdência);
  • Possuir qualidade de segurado, termo usado para quem contribui para o INSS e que, portanto, tem direito à cobertura previdenciária;
  • Comprovar, através de perícia médica, doença que o torne temporariamente incapaz para o seu trabalho;
  • Para o empregado em empresa: estar afastado do trabalho por mais de 15 dias (corridos ou intercalados dentro do prazo de 60 dias caso seja por conta da mesma doença). Caso a incapacidade torne-se permanente, o benefício devido será a aposentadoria por incapacidade permanente.

ATENÇÃO! Importante frisar que a Previdência Social não cobre doenças e/ou lesões que já tenham ocasionado a incapacidade anteriormente ao início da cobertura previdenciária. Mas se a pessoa já estava doente ao filiar-se ao INSS (ou ao readquirir a qualidade de segurado) e ainda não estava incapaz, ela terá sim direito ao auxílio-doença.

4) QUAIS SÃO OS DOCUMENTOS E FORMULÁRIOS NECESSÁRIOS PARA CONCESSÃO DO AUXÍLIO-DOENÇA?

  • Documento de identificação oficial com foto, que permita o reconhecimento do requerente;
  • CPF;
  • Carteira de trabalho, carnês de contribuição e outros documentos que comprovem pagamento ao INSS;
  • Documentos médicos decorrentes de seu tratamento, como por exemplo atestados, exames, relatórios etc. para serem analisados no dia da perícia médica do INSS;
  • Para o empregado: declaração assinada pelo empregador, informando a data do último dia trabalhado (se precisar, imprima o requerimento);
  • Comunicação de Acidente de Trabalho (CAT), se for o caso;
  • Para o segurado especial (trabalhador rural, lavrador, pescador): documentos que comprovem esta situação, como contratos de arrendamento, entre outros.

5) QUAL É O VALOR DO AUXÍLIO-DOENÇA?

De acordo com a legislação, o auxílio será no valor de 91% do salário recebido pelo segurado/trabalhador, obedecendo a média dos seus maiores recebimentos durante 80% do período de contribuição.

6) DIFICULDADES DE SE CONSEGUIR O BENEFÍCIO

Infelizmente nem sempre o perito do INSS aceita beneficiar o segurado por causa de sua necessidade. Dessa forma, muitos voltam a trabalhar e acabam piorando suas condições de saúde. Nessa hora, então, é importante ter a orientação de um advogado previdenciário, pois este vai analisar os laudos médicos e propor a ação cabível de concessão de benefício ou de restabelecimento de benefício (caso o segurado já vinha recebendo o benefício e o INSS o cortou).

7) QUANDO COMEÇO A RECEBER O BENEFÍCIO?

Para o segurado empregado: a saber, a partir do 16º dia contado do afastamento do trabalho por motivo da doença incapacitante. Os primeiros 15 dias, contudo, são pagos pelo empregador.

Para os demais segurados, inclusive o empregado doméstico: a partir da data do início da incapacidade, ou a partir da data do requerimento administrativo, se requerido quando o segurado já estiver afastado da atividade por mais de 30 dias.

Vale lembrar que a data do requerimento administrativo é a data em que foi solicitado o agendamento, e não a data do efetivo atendimento.

8) QUANDO TERMINA O AUXÍLIO-DOENÇA?

O auxílio-doença é suspenso quando o trabalhador recupera a capacidade para trabalhar, ou quando o benefício se transforma em aposentadoria por incapacidade permanente, ou quando o trabalhador volta voluntariamente ao trabalho.

O auxílio-doença deve ser revisto periodicamente, conforme determinação do INSS, para saber se o beneficiário ainda reúne as condições de manutenção do benefício. Do contrário, o benefício será suspenso.

Ademais, o beneficiário deve ainda ser submetido a processo de reabilitação profissional recomendado e custeado pela Previdência Social. Se acaso for reabilitado, ou atestado o caráter permanente da incapacidade laboral, o auxílio-doença é cessado.

9) CUMULAÇÃO COM OUTROS BENEFÍCIOS

Embora muitos acreditem que é possível o acúmulo de benefícios, o auxílio-doença não pode ser cumulado a outra aposentadoria, salário-maternidade, auxílio-acidente do mesmo acidente ou doença que lhe deu origem, outro auxílio-doença ainda que acidentário, com o auxílio-reclusão dos dependentes do segurado recluso que receber o auxílio-doença, e com auxílio-suplementar.

Gostou do conteúdo? Deixe seu comentário.

Até a próxima!

auxílio-doença

>>Página Inicial.

SALARI ADVOGADOS

Telefones para contato:

(21) 3594-4000 (Fixo)
(21) 96577-4000 (WhatsApp)

E-mail: [email protected]

Endereço:

Rua da Quitanda, nº 19, sala 414 – Centro do Rio de Janeiro (esquina com a Rua da Assembléia, próximo à estação de metrô da Carioca).

Tem alguma dúvida a respeito?

Uma assessoria jurídica de qualidade traz mais segurança jurídica a todas as questões burocráticas da empresa, como, por exemplo, requerimentos, notificações, elaboração de contratos, documentos em geral.

quem somos

O escritório SALARI ADVOGADOS atua no estado do Rio de Janeiro, e conta com uma equipe de advogados especializados no Direito Empresarial.

Estamos sempre dispostos a esclarecer dúvidas e nosso cliente sabe sempre a quem recorrer em todas as situações, tendo um advogado voltado exclusivamente para avaliar minuciosamente o seu problema e obter a melhor solução jurídica.

O QUE DIZEM NOSSOS CLIENTES

"Procurei os serviços em busca somente para orientação devido a acessibilidade, já sem esperança de resolver meu problema. Fui esclarecido, ajudado e graças a uma equipe capacitada fui devidamente orientado."
Carlos Magno
Super indico! Muito profissional e atencioso! Tanto pessoa física quanto jurídica pode contratar!
Lucinda Alves
"Agradeço muito à equipe da Salari por me ajudarem a resolver um problemão na minha empresa. Foi rápido na medida do possível. Deus os abençoe!"
Rodolfo Silveira
Advogados excelentes, confiáveis e que trabalham com seriedade e responsabilidade! Continue ASSIM doutor!
Gabrielle Silva
"Agradecerei eternamente aos doutores da Salari Advogados por terem me ajudado de maneira tão rápida e profissional. Me senti acolhida do início ao fim do processo, realmente só tenho coisas boas a falar desse escritório. Deixo aqui meu muito obrigada!"
Maria Helena
Liguei a primeira vez para uma consulta e responderam todas as minhas perguntas. Quando tive um problema, não pensei duas vezes, liguei para lá. Sou grato por tudo o que fazem por mim. Recomendo.
José Vitor